FestiVelhas 2007 – Jequitibá

O FestiVelhas Jequitibá – Arte e Transformação na capital mineira do Folclore foi um espaço para convivência e discussão entre agentes culturais, ambientais e todos aqueles mobilizados pela melhoria das condições da bacia do Rio das Velhas. De 6 a 9 de setembro, foi realizado, em Jequitibá, debates, palestras, oficinas, exibição de vídeos, apresentações musicais, teatrais e folclóricas.
O evento teve como objetivo dar continuidade ao trabalho iniciado no FestiVelhas Manuelzão de 2005: construindo uma agenda cultural para a bacia do Rio das Velhas e relacionando-a à agenda ambiental.
Ao ser realizado em Jequitibá de forma integrada ao Festival do Folclore, o FestiVelhas Jequitibá não esperava se apropriar desse espaço, mas pôr em diálogo a tradição cultural do município com a proposta do FestiVelhas: unir o debate ambiental ao cultural.
A riqueza cultural de Jequitibá põe a cultura popular no centro de nossa reflexão, apresentações como a Dança das Fitas e o Congado, instrumentos como a viola e o tambor, ritmos como o batuque e a contradança, performances como a Capoeira regional e da Dança das Enxadas, afim de compreendermos como elementos da vida cotidiana. O que uma procissão representa na vida de uma comunidade? O que as canções “folclóricas” de uma região nos dizem sobre o local? A valorização dessas expressões artísticas pode favorecer a identificação da população com sua terra e estimular essa população a se engajar na busca de soluções para os problemas de sua terra.
A TRUPEGAIA ficou responsável pelo espaço de convivência o que foi um grande mérito ao grupo levando ao pé da letra a proposta do festival. Neste espaço quem quisesse mostrar seu lado artista ou participar das atividades era só se soltar com a trupe. Aconteceram no espaço, atividades circenses, pinturas faciais e de mural, palhaços, malabares, teatro, poesias, diversas oficinas artísticas e de educação ambiental, cortejos pela cidade e muita alegria. A TRUPEGAIA se orgulha deste que foi o primeiro e mais importante passo para a criação e ascensão do grupo.

O Peixe-Bumbá

“Não jogue lixo no chão, chão é pra plantar semente..
Pra dar o bendito fruto, pra alimentação da gente!”



Cortejo em volta da lagoa com o Rio das Velhas nas mãos da criançada:
“Não a transposição! Revitalização!”
A personagem Peixe-Bumbá seguia puxando o cortejo trazendo
a esperança
da volta do peixe para o rio.